Notícias

Viagens

Passar mal dentro do avião: o que a companhia aérea deve fazer em casos de mal-estar ou de morte

Comissários de bordo são treinados para prestarem os primeiros socorros. Médicos presentes no voo devem se apresentar para ajudar no tratamento. Avião
Sean MacEntee on VisualHunt
Você já parou para pensar o que pode acontecer caso um passageiro passe mal enquanto está viajando de avião, a milhares de metros do chão? Apesar de não dar tempo de correr para um hospital, as companhias aéreas têm procedimentos definidos para tratar os pacientes em uma emergência.
O tema veio à tona após um incidente no dia 12 de junho envolvendo a companhia egípcia Sky Vision Airlines, que teve que fazer um pouso de emergência na Arábia Saudita. O comandante da aeronave sofreu um mal súbito e morreu durante o voo.
Segundo o site Avherald, que registra incidentes aéreos em todo o mundo, o copiloto avisou aos passageiros pelo sistema de som que a aeronave, um Airbus A320, teria que desviar a rota em razão da morte do comandante. Saiba mais aqui.
Mas quais são os procedimentos para passageiros em casos de mal-estar ou até óbito durante voos? Veja nas perguntas abaixo:
O que a companhia deve fazer?
O avião deve pousar?
Tem como prevenir?
O que acontece em caso de óbito?
O que a companhia deve fazer?
Quando alguém passa mal durante um voo comercial, a primeira reação dos comissários de bordo será perguntar se entre os passageiros há algum médico.
O profissional da saúde deverá se apresentar por causa do seu código de ética. Se ele não fizer isso, pode ser punido caso alguém saiba que ele é médico e que decidiu não prestar socorro, explica a presidente do Comitê de Medicina Aeroepacial da Associação Paulista de Medicina, Rozania Sobreira.
A partir daí, o paciente é levado ao galley, espaço onde os comissários servem os lanches, que consegue comportar a aplicação dos procedimentos necessários.
Todos os voos têm uma caixa que só pode ser aberta por médicos. Nela, há medicamentos e equipamentos que permitem tratamentos mais invasivos, como a intubação.
LEIA TAMBÉM
Desastre do AF447: por que um avião ‘inderrubável’ caiu no Atlântico e chocou o mundo
Erro de controlador fez aviões ficarem a 60 metros de bater no Texas, aponta investigação; piloto arremeteu e evitou catástrofe
Voo no Havaí ficou a 120 metros de bater no mar; agência de aviação dos EUA investiga
Há ainda uma segunda caixa, que pode ser aberta por outros profissionais da saúde, como enfermeiros, e pelos comissários. Ela contém outros tipos de itens, curativos e medidor de pressão, por exemplo.
Mas nem todo voo vai ter um passageiro que trabalhe na área da saúde, por isso a função dos comissários vai muito além de servir lanches, diz Rozania. Todos possuem um treinamento para aplicar primeiros socorros, como a realização de massagem cardíaca.
Além dessas medidas, em voos mais longos, algumas companhias aéreas oferecem assessoramento remoto de médicos especializados em medicina aeroespacial, para o atendimento de quando alguém passa mal a bordo. A equipe dará orientações à tripulação de como o passageiro deve ser tratado.
O avião deve pousar?
O comandante é a autoridade máxima de voo e cabe a ele tomar essa decisão. Rozania diz que o médico do atendimento pode orientar se o caso exige o pouso, mas que não pode determinar.
Ela explica que a razão disso é porque pousar fora do planejamento pode trazer riscos para todos os passageiros e um estresse para a tripulação, agravando a possibilidade de acidentes se o tanque de combustível ainda estiver cheio – deixando o avião mais pesado e com mais riscos de bater no chão com força e ser danificado – e o aeroporto mais perto não tiver a estrutura adequada.
Em alguns casos, o comandante pode baixar a altitude do voo, indo de 8 mil pés a 6 mil, isso faz com que a pressão do ar diminua, melhorando a qualidade do oxigênio no ambiente. Isso porque é que neste momento a cabine muda as características em relação a pressurização.
“Com esse procedimento, a maioria das pessoas tem uma melhora”, diz a médica.
Tem como prevenir?
Há como diminuir as chances de passar mal no avião. O ambiente da aeronave é diferente do que estamos acostumados por causa da altura, que é de cerca de 8 mil pés, equivalente ao Monte Nevado, no Chile, explica Rozania.
Apesar de o avião ser um meio de transporte muito seguro, existem algumas condições de saúde que podem ser agravadas quando em altitude, afirma a presidente.
Alguns exemplos são anemias severas, pós cirurgias, pneumonia, infecção no ouvido e casos de pressão arterial e diabetes sem medicação.
Por este motivo, cabe aos passageiros, quando possuem alguma doença, preencher o Formulário de Informações para Passageiros com Necessidades Especiais (Medif – sigla em inglês).
Depois, um profissional especializado em medicina aeroespacial da companhia irá avaliar o documento e decidir se o passageiro está em condições de realizar a viagem.
O formulário pode ser enviado em até 72 horas antes do voo e a companhia aérea deve dar o retorno com até 48 horas de antecedência. Caso a resposta seja negativa para a viagem, o cliente deverá remarcar o voo.
As cobranças de custos extras podem acontecer dependendo da política de cada empresa.
Além disso, caso o passageiro tenha alguma doença contagiosa que seja facilmente identificada, por exemplo, conjuntivite e sarampo, os comissários podem impedir o embarque.
O que acontece em caso de óbito?
Caso o passageiro acabe vindo a óbito durante o voo, o comandante pode decidir se deseja fazer um pouso de emergência ou seguir para o destino planejado para a viagem, conta a presidente.
Quando o pouso acontecer, a equipe da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) já deve estar aguardando a aeronave no aeroporto para receber o corpo. Além disso, o avião ficará retido para perícia.
Voo atrasado ou cancelado? Veja os direitos do passageiro

botão de play

No Ar

SHOW DA TARDE
Produção Eduardo Dj