Notícias

Viagens

‘Nhoque da fortuna’ no dia 29: o que é e de onde vem a tradição

Prato, hoje tradicionalmente feito com batata e farinha, tem origem italiana. Nhoque
Reprodução/TV Globo
Diz a lenda que todo 29 é dia de comer nhoque. Apesar das origens italianas (o nome vem de gnocchi), comer nhoque no dia 29 de cada mês é uma tradição que se fortaleceu na América do Sul, trazida por imigrantes que chegaram, principalmente, no Brasil e na Argentina (por isso o hábito também é típico entre os nossos vizinhos hermanos).
🍝 Chamado de “nhoque da fortuna”, o prato deve ser servido, segundo a tradição, todo dia 29. Em 2024, por se tratar de um ano bissexto, o costume poderá ser feito nos 12 meses do ano.
🤔 E qual a origem da tradição? Aqui, é preciso reforçar: trata-se de um lenda, uma crença popular. Isso significa que a história pode ter diferentes variações e versões. A principal remonta a São Pantaleão, um médico turco que vivia como peregrino na região do Vêneto, no nordeste da Itália. Quem explica isso é Simone Paratella, chef de cozinha natural da cidade italiana de Alba — ele tem restaurante no Brasil e sua família é do Vêneto.
“Com fome, São Pantaleão chegou na casa de agricultores, que cozinharam nhoque. Junto ao grupo, ele rezou pela prosperidade da safra naquele ano, comeu e foi embora. Depois, a esposa do dono da casa encontrou moedas de ouro embaixo dos pratos.”
💰 O episódio teria acontecido em um dia 29. Por isso, criou-se a superstição, para quem acredita, de colocar uma nota ou uma moeda embaixo do prato de nhoque no dia 29 de cada mês. Há, ainda, outras variações da lenda, como a de que é preciso comer sete bolinhas de nhoque de pé (mas sempre no dia 29).
🥔 👎 Mas, como explica Simone, de batata que não era o nhoque que Pantaleão comeu no ano 300 depois de Cristo, já que o tubérculo, considerado um alimento do “novo mundo”, ainda não existia na Europa na época e só chegou muitos anos depois.
“Na época, não havia batata, era nhoque de farinha”, explica Simone.
De onde vem: batata ‘dorme’ por meses e só suas netas vão para os mercados
🧑‍🍳 E como é uma receita de nhoque? A resposta varia (e muito). Há nhoque de abóbora, de mandioca, de sêmola, com ovo na massa, sem ovo na massa, regado a molho vermelho ou outros tipos de molho etc — tudo depende da região e dos costumes locais. Mas, tanto na Itália quanto no Brasil, a versão mais comum é mesmo a feita a base de batata.
Segundo Simone, na Itália há um ditado que diz “gnocchi si fanno con le patate vecchie” — “nhoque se faz com batata velha”, em tradução livre do italiano.
Imagem de arquivo mostra um prato de nhoque
Eulâmpio Vianna Neto
“Quando a batata começa a murchar, ela perde a água. Então fica mais fácil, ela puxa menos farinha. E aí ele fica mais doce, menos amargo e menos duro”. Mas isso, como explica Simone, é uma tradição dos tempos de guerra, quando a batata precisava ser armazenada em estoque por um bom tempo. E uma versão adotada pelos cozinheiros mais tradicionais.
A regra mesmo, esta inegociável para Simone, é a de que “o nhoque tem de ser comido sempre fresco”.
“Prepara, coloca nas bandejas e depois cozinha. Na escola italiana ensina-se que tem que ser farinha, batata, ovo, sal, pimenta do reino e um pouco de parmigiano reggiano (um tipo de queijo muito nobre na Itália, primo do parmesão) ou grana padano, um dos dois, outro tipo de queijo, não.” E, mesmo na Itália, a receita muda a depender da região.
O que Simone reforça, entretanto, é que o hábito de comer sempre no dia 29 se fortaleceu mesmo na América do Sul, quando os italianos migraram para cá. “Essa questão de tradição é só suas (dos latinos) mesmo.”
🤔 Curiosidade… Pantaleão viveu apenas 28 anos e morreu decapitado em 27 de julho de 305, após ser torturado, segundo o jornal argentino “El Clarin”. Em Buenos Aires, na Argentina, existe um templo no bairro Mataderos onde, desde 1970, está exposta uma parte de um osso do braço do santo.

botão de play

No Ar

SHOW DA TARDE
Produção Eduardo Dj