Notícias

Região dos Lagos

Grávida que sobreviveu a explosão de lancha em Cabo Frio recebe alta no ES

Letícia Sampaio estava internada no Hospital Dr. Jayme Santos Neves, na Serra, na Grande Vitória. Ela era mãe de Davi Freire Zerbone, de 4 anos, que não sobreviveu ao acidente. Letícia Sampaio, de 26 anos, e Davi, de quatro anos.
Reprodução
A capixaba Letícia Sampaio, de 26 anos, que sobreviveu a explosão de uma lancha em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro no dia 17 de junho, recebeu alta nesta sexta-feira (5). A mulher, que está grávida de três meses, estava internada no Hospital Dr. Jayme Santos Neves, na Serra, na Grande Vitória. Ela era mãe de Davi Freire Zerbone, de 4 anos, que não sobreviveu ao acidente.
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
A capixaba mora em Cariacica, também na Grande Vitória, e estava em viagem com o esposo, de 26 anos, o filho, de quatro anos, além de outras sete pessoas — sendo mais dois casais, duas crianças e um amigo do grupo. Ela teve 35% do corpo queimado, segundo os familiares.
📲 Clique aqui para seguir o canal do g1 ES no WhatsApp
Estado de saúde das outras vítimas
Além de Letícia, Caroline Pimentel, de 28 anos, que estava internada na mesma unidade, também recebeu alta no dia 3 de junho. Caroline era casada com o empresário Aleksandro Leão Vieira, de 36 anos, que não resistiu ao acidente. O casal também estava acompanhado da filha Ana Lívia Pimentel, de cinco anos, que continua internada no Hospital Jayme Santos Neves.
Também continuam internados Nayara Taislane Andrade, de 22 anos, e o filho Gean Andrade, de um 1 ano e 5 meses. No dia 24 de junho, uma semana após o acidente, mãe e filho se reencontram dentro do Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, na Região Metropolitana. Ainda não há previsão de alta para os dois.
LEIA TAMBÉM:
Mãe e filho de 1 ano feridos em explosão de lancha se reencontram uma semana após acidente
Empresário do ES morto em explosão de lancha em Cabo Frio tentou salvar crianças
Relembre o caso
O acidente foi na tarde de segunda-feira (17) na Ilha do Japonês, em Cabo Frio. Havia 11 pessoas na embarcação – sendo o piloto e 10 passageiros – e, de acordo com um dos passageiros, o acidente foi minutos após a lancha parar para abastecer. Entre os feridos, estavam três crianças, de 1 ano e meio, quatro e cinco anos.
O acidente ocorreu por volta das 12h30 próximo à Ilha do Japonês. O local fica entre os municípios de Cabo Frio e São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.
Ao todo dez pessoas foram resgatadas, segundo informações da prefeitura de Cabo Frio. Os turistas atingidos foram atendidos no Hospital Central de Emergências (HCE), em São Cristóvão, e na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), no Parque Burle.
Davi Freire Zerbone, de 4 anos e Aleksandro Leão Vieira, de 36 anos, são do Espírito Santo e morreram em explosão de lancha em Cabo Frio, RJ
Reprodução
No dia 21 de junho, Davi Freire Zerbone, de 4 anos, morreu em decorrência do acidente. De acordo com o Hospital Estadual Roberto Chabo, em Araruama , o menino teve complicações, sofreu uma parada cardiorrespiratória e não resistiu.
No dia 23 de junho, outra vítima fatal foi confirmada. Aleksandro Leão Vieira, de 36 anos, teve 75% do corpo queimado e não resistiu aos ferimentos.
Questionada sobre o acidente, a Marinha do Brasil informou que a Delegacia da Capitania dos Portos em Cabo Frio (DelCFrio) instaurou inquéritos administrativos, cujo prazo de conclusão é de 90 dias, com o propósito de apurar causas, circunstâncias e possíveis responsabilidades do acidente.
Leia a nota na íntegra:
A Marinha do Brasil (MB), por intermédio do Comando do 1º Distrito Naval (Com1°DN), informa que a Delegacia da Capitania dos Portos em Cabo Frio (DelCFrio) instaurou Inquéritos Administrativos sobre Acidentes e Fatos da Navegação (IAFN), cujo prazo de conclusão é de 90 dias, com o propósito de apurar causas, circunstâncias e possíveis responsabilidades, sobre os últimos acidentes com as embarcações “A MAR I”, “BRADOCK” e “EYE SEA”, ocorridos em Cabo Frio – RJ. Os IAFN encontram-se em sua fase de instrução, a qual abrange todos os esforços para a elucidação destes acidentes.
Pontua-se que Ações de Fiscalização do Tráfego Aquaviário (AFTA) são realizadas nas Marinas e Iates Clubes, procedendo uma verificação documental e de equipamentos previstos nas Normas da Autoridade Marítima. Não obstante, as AFTA também são conduzidas no mar, efetuando-se inspeção na documentação do condutor, da embarcação e nos itens de segurança obrigatórios. Em 2024, foram realizadas mais de 5.840 inspeções, 314 notificações, além de 22 apreensões.
Insta salientar, por oportuno, que a DelCFrio realiza palestras para a Comunidade Marítima, ocasião quando é possível reforçar não somente as principais recomendações e precauções de segurança, previstas nos anexos 4B e 5F da NORMAM-211/DPC, mas também contribuir para a redução de falhas de procedimentos.
Cabe ressaltar que a Marinha incentiva e considera importante a participação da sociedade, que pode ser feita pelos telefones 185 (número para emergências marítimas e fluviais, além de pedidos de auxílio), (21) 2104-6119 e (21) 97515-7895 (diretamente com o Com1ºDN, para outros assuntos, inclusive denúncias).
Vídeos: tudo sobre o Espírito Santo
Veja o plantão de últimas notícias do g1 Espírito Santo

botão de play

No Ar

SHOW DA TARDE
Produção Eduardo Dj