Notícias

Pop & Arte

Vencedor do Prêmio Jabuti, escritor anastaciano compartilha planos para 2024: ‘Viver do jeito que vivo, com independência e liberdade’

Autor de mais de 15 livros, Fabrício Corsaletti começou a escrever na adolescência e, aos 45 anos, conquistou o reconhecimento mais consagrado da literatura brasileira. Trecho da obra “Engenheiro Fantasma” (Companhia das Letras), lançada em 2022 por Fabrício Corsaletti
Reprodução/Companhia das Letras
O trecho, do primeiro soneto da obra “Engenheiro Fantasma” (Companhia das Letras), do escritor Fabrício Corsaletti, nascido em Santo Anastácio (SP), aterrissa em Buenos Aires, onde os versos dão o tom da narrativa protagonizada por Bob Dylan. Ganhadora da 65ª edição do Prêmio Jabuti, nas categorias Poesia e Livro do ano, a coletânea, lançada em 2022, nasceu de um sonho do artista, e não no sentido metafórico.
“Tomei o café da manhã angustiado, sem saber o que fazer — eu sabia que devia fazer alguma coisa. Fui para o computador e arrisquei um soneto. No fim do dia eu tinha escrito sete, ao todo. No dia seguinte, mais nove. Entre 8 e 17 de setembro, escrevi cinquenta e seis sonetos. Significa que outros cento e quarenta e quatro ainda estão perdidos por aí”, relatou o escritor no prólogo.
Mas não foram apenas os sonetos da obra que marcaram a trajetória do intelectual. No livro da vida, Corsaletti empresta os versos de “Soneto da Fidelidade”, eternizado por Vinícius de Moraes, em: “que seja infinito enquanto dure”. Para ele, a paixão pela arte, literatura e escrita, durou. Um amor cultivado desde muito cedo.
Fabrício Corsaletti, de Santo Anastácio (SP), foi vencedor do Prêmio Jabuti 2023, nas categorias Poesia e Livro do ano
Câmara Brasileira do Livro
Afinco real ✍
Autor de mais de 15 livros, entre os gêneros de literatura infantil, poesia e ficção, Fabrício Crepaldi Corsaletti é escritor, poeta e professor. Dos 45 anos vividos, dedicou boa parte deles à arte de colocar em palavras suas vivências e impressões sobre o mundo, ora imaginário, mas sempre eternizado com afinco real.
Natural de Santo Anastácio, o apreço pelas artes surgiu ainda na adolescência. Inspirado pela Música Popular Brasileira (MPB) de Vinícius de Moraes, Chico Buarque e Caetano Veloso, começou a escrever aos 15 anos, folheando as apostilas do colégio e conversando com sua professora de literatura, Cidinha Campos, recordada carinhosamente pelo agora morador da capital paulista.
Poeta começou a escrever com 15 anos e lançou seu primeiro livro oito anos depois
Acervo pessoal
Com 23 anos, Fabrício publicou seu primeiro livro. A edição caseira, custeada pelos pais, foi intitulada “Movediço”. A partir da segunda obra, “O Sobrevivente”, lançada com a ajuda da família e dos amigos, o professor viu um horizonte de possibilidades se apresentar diante dos seus olhos. Mesmo diante do ‘novo’, nunca deixou de ser apoiado pelas pessoas que, um dia, testemunharam o nascimento do escritor interiorano.
“Sempre contei com muitas pessoas que gostavam do que eu fazia e me apoiaram. Eu tive muito apoio, desde o começo, de pessoas entusiasmadas com o meu trabalho, que me incentivaram a ir para frente, mas eu estava muito decidido, desde o começo, de que era isso o que eu queria fazer, então, não teve hesitação. Desde os 15 anos, era isso o que eu queria fazer, escrever, e é isso o que eu faço”, observou ao g1.
‘Autoexilado’ 🌎
Ao longo de 56 sonetos, distribuídos em 128 páginas, Fabrício Crepaldi “veste a máscara de Bob Dylan e narra uma temporada de exílio voluntário que o genial letrista norte-americano teria supostamente vivido em Buenos Aires em algum período não-especificado deste século”.
Lançado pela Companhia das Letras em março de 2022, o livro, intitulado “Engenheiro Fantasma”, faz uma imersão na capital portenha numa mistura entre real e imaginário, tudo descrito pela ótica do letrista norte-americano, que lá vive anonimamente.
“Os sonetos são o Bob Dylan andando por Buenos Aires. Uma Buenos Aires que é meio real, meio inventada… Tem muita coisa do livro que existe em Buenos Aires, mas outras não, como, por exemplo, bares que eu inventei. Então, é a vida do Bob Dylan imaginário em uma Buenos Aires imaginária também”, atestou o autor.
Obra se passa em Buenos Aires e traz 56 sonetos
Acervo pessoal
A astúcia do escritor anastaciano em dar vida ao que, em determinada noite, não passou de um sonho, rendeu ao artista a conquista do Prêmio Jabuti 2023, um dos mais tradicionais da literatura brasileira, nas categorias Poesia e Livro do ano.
“Eu fiquei muito feliz, porque é um reconhecimento do meu livro, do meu trabalho, como um todo, o que é sempre legal, é muito gratificante. Eu já publiquei mais de vinte livros e os concorrentes eram muito bons. Eu sou muito fã do Paulo Henriques Brito, da Cláudia Roquete Pinto”, ressaltou ao g1 Corsaletti.
E completou: “Ainda tem uma expectativa de divulgação do livro, de mais pessoas ficarem sabendo do meu livro, irem atrás para ler o livro que ganhou o Jabuti, tem a viagem para Frankfurt, que faz parte do prêmio, e R$ 70 mil, o que sempre é bom. Então, a sensação é essa: é de gratificação pelo reconhecimento e de uma certa expectativa de que o livro circule mais entre os leitores”.
Trecho da obra “Engenheiro Fantasma” (Companhia das Letras), lançada em 2022 por Fabrício Corsaletti
Reprodução/Companhia das Letras
‘Futuro simples’ 🪐
Para o escritor, o ano de 2023 foi de conquistas que vão além do Prêmio Jabuti. Quanto aos planos para o futuro, o poeta adianta: “são muito simples”.
“É continuar fazendo o que eu faço, o que não é nada simples, o que dá muito trabalho. Quero continuar escrevendo e vivendo do jeito que eu vivo, com independência e liberdade. Fazer o que eu quero fazer e não o que os outros querem que eu faça. Se eu conseguir fazer isso, já está bom”, concluiu ao g1.
Fabrício Corsaletti na cerimônia do Prêmio Jabuti 2023
Câmara Brasileira do Livro
VÍDEOS: Tudo sobre a região de Presidente Prudente
Veja mais notícias em g1 Presidente Prudente e Região.

botão de play

No Ar

NIGHT SONGS
Produção Eduardo Dj