Notícias

Pop & Arte

Taylor Swift narra os dramas de (pelo menos) 2 términos em disco bem escrito, mas cansativo

Em ‘The Tortured Poets Department’, cantora fala de sonhos frustrados de casamento e namorico com ‘bad boy’. Disco sustentado por pop eletrônico tem melodias repetitivas, que derrapam em previsibilidade; leia análise do g1. Taylor Swift lançou novo disco nesta sexta (19)
Republic Records via AP
Se o novo álbum de Taylor Swift fosse uma poesia, seria uma tragédia. “The Tortured Poets Department”, lançado como uma antologia de 31 músicas nesta sexta-feira (19), é um dos trabalhos mais pessoais e dramáticos da carreira da artista americana.
Mas a magia de sua lírica não foi o suficiente para dar corpo a um disco de melodias cansativas. Ao divulgar mais um trabalho sustentado por referências eletrônicas dos anos 1980, uma marca de seu produtor Jack Antonoff, Taylor derrapa na previsibilidade.
O noivo perfeito
Em termos de fama e devoção dos fãs, Taylor Swift é hoje o maior nome da música pop. Entre outros motivos, porque sabe — melhor do que ninguém — confundir os limites entre seu repertório e sua vida privada.
ANÁLISE: Taylor Swift não tem voz incrível, nem melodias interessantes; por que, então, ela é tão popular?
Já ao ser anunciado, durante a cerimônia do Grammy em fevereiro deste ano, o nome do disco passou a ser associado ao fim do relacionamento de seis anos entre a cantora e o ator britânico Joe Alwyn (“A Favorita”). O término foi noticiado no início de 2023.
“Tortured Poets Department” (Departamento dos Poetas Torturados) é uma provável (tudo aqui fica no campo do hipotético) referência a “Tortured Man Club” (Clube do Homem Torturado), nome de um grupo de chat que Alwyn mantém com os amigos, também atores, Paul Mescal e Andrew Scott.
Faz parte do modus operandi de Taylor dissecar seus dilemas amorosos com homens famosos nas músicas, e Joe Alwyn é mesmo um personagem importante do novo disco, mas não o único.
Joe Alwyn posa no tapete vermelho do Globo de Ouro 2020
Jordan Strauss/AP
A ele, a menção mais clara é “So Long, London”, um house de sintetizadores e piano suave, cuja batida crescente parece levar a um clímax explosivo, que nunca chega. Pode parecer frustrante, mas é um dos momentos mais interessantes do álbum, e pode dar uma pista do que aconteceu entre Taylor e Alwyn.
O ator britânico inspirou a fase mais romântica da cantora, o álbum “Lover”, de 2019. Lá, ele foi tema de “London Boy”, faixa melosa em que ela se declara ao então namorado e à cidade onde os dois viveram juntos. Agora, o quadro é outro: Taylor dá adeus a Londres e reclama de um relacionamento unilateral. “Minha coluna se partiu pelo peso de nos carregar morro acima”, diz na letra.
Em outros momentos de “Tortured Poets”, ela lamenta a quebra de expectativas gerada pelo romance. “loml” é uma balada de piano comovente sobre imaginar um noivo perfeito, véu e grinalda, um futuro de conto de fadas. Ela sofre:
“Você falou mal de mim escondido, mencionando alianças e berços. Eu queria poder me esquecer da forma como quase chegamos lá.”
É de partir o coração, mas acontece.
O ‘bad boy’
Nada de novo até aqui: a aparição de Joe Alwyn já era esperada. Mas Taylor surpreendeu fãs ao dedicar parte considerável do álbum a outro possível antagonista: um homem caótico, problemático, perigoso, com problemas com drogas.
De novo, tudo está no campo do hipotético. Mas os indícios — Taylor é especialista neles — levam a crer que ela está falando de Matty Healy, vocalista da banda The 1975, que tem pose de “bad boy” e um currículo de polêmicas. Em 2023, ele foi acusado de fazer saudação nazista em show e foi alvo de críticas após rir de piadas racistas e xenofóbicas feitas contra a rapper Ice Spice. Ela canta em “I Can Fix Him (No Really I Can)”:
“Quando digo que ele é meu namorado, todos balançam a cabeça, dizendo: que Deus a ajude.”
Vocalista da banda The 1975, Matthew Healy, no Lollapalooza 2019
Fabio Tito/G1
O breve envolvimento da cantora com o roqueiro nunca foi confirmado oficialmente. Mesmo assim, foi criticado por fãs, que consideraram Matty um péssimo partido para sua diva. O “Tortured Poets” é também uma resposta da artista a estes.
“Acabei de entender que essas pessoas tentam te salvar porque te odeiam. As expectativas são altas demais pra uma garota simples alcançar”, ela diz em “But Daddy I Love Him”. Vamos combinar que Taylor não é exatamente uma garota simples, e sim uma bilionária com quase 20 anos de carreira, que move montanhas na indústria da música. O discurso não colou.
Chorando nos bastidores
Os melhores momentos do “Tortured Poets” surgem quando Taylor abaixa o tom do vitimismo e assume uma postura sarcástica em relação à própria fossa. “I Can Do It With a Broken Heart” faz lembrar o brilho de “1989”, álbum lançado em 2014, com a cantora brincando sobre ter que tocar a maior turnê de sua carreira enquanto sofre por amor. A The Eras Tour passou pelo Brasil em novembro de 2023.
“Eu choro bastante, mas sou muito produtiva, é uma arte. Você sabe que é boa quando consegue até com o coração partido.”
Taylor Swift durante show da ‘The Eras Tour’ em Nashville, nos EUA.
George Walker IV/AP
Melodicamente, no entanto, a música é bem menos interessante: repete a fórmula do pop sintético pulsante de Antonoff, usada até a exaustão no disco. Às vezes, uma nova música começa e você tem a sensação de que acabou de ouvi-la. Mesmo a parceria com a banda de indie rock Florence and the Machine, que parecia ter potencial, só funciona no refrão catártico.
O synth-pop, estilo que coloca o sintetizador no centro das melodias, também foi um dos fundamentos do “Midnights”, álbum que Taylor lançou em 2022. Lá, o formato ajudou a construir uma atmosfera suave, mas marcante para os vocais e as histórias da artista, que sempre foram centrais em seu trabalho. Já no “Tortured Poets”, é como se os instrumentais não importassem.
Nas letras, há deslizes, como o trecho de “I Hate It Here” que viralizou e foi criticado nas redes sociais, por ser pueril demais:
“Meus amigos costumavam jogar um jogo onde nós escolhíamos uma década em que desejávamos poder viver. Eu diria a década de 1830, mas sem todos os racistas.”
Mas, no geral, as músicas são bem escritas, é claro — afinal, estamos falando de Taylor Swift, e de seu incrível talento para criar narrativas tão melodramáticas quanto universais. Quem nunca precisou trabalhar de coração partido? Ela também precisou, mas havia uma multidão à sua frente e bilhões de dólares sendo vendidos em ingressos.
Depois de ouvir todas as 31 músicas do “Tortured Poets”, porém, a sensação que fica é: será que há tanto assim a dizer sobre as mesmas situações? Taylor compõe como uma amiga que desabafa sobre seu último caso amoroso na mesa do bar, e isso é ótimo. Mas, aqui, a conversa fica monotemática, e você torce para conseguir pedir a conta.

botão de play

No Ar

THE MUSIC OF TIME
Produção Diego Ferrari